Fechar

Escolha o seu idioma ou região

Close

This website content is also available in COUNTRY TO CHANGE.

Cortiça em missão a Marte

Projeto cTPS – Crushable TPS – Inovadora cápsula de reentrada atmosférica integra programa de exploração da Marte da Agência Espacial europeia. Notícias

Ao unir cortiça, inovação e engenharia, o consórcio composto pela Amorim Cork Composites, Critical Materials, PIEP e ISQ desenvolveu para a Agência Espacial Europeia (ESA) uma cápsula de reentrada atmosférica (ERC) para recolha de amostras do solo em Marte. Chamaram ao projeto cTPS.

O desafio juntou a conceção e a produção de uma cápsula de reentrada atmosférica com as caraterísticas termomecânicas otimizadas a uma reentrada atmosférica passiva que dispensa o auxílio paraquedas ou outros sistemas auxiliares de atenuação de forças de impacto na fase de contacto com a superfície terreste, capaz de assegurar a integridade estrutural de reservatório, que conterá as amostras de solo do planeta Marte.

Trata-se de uma solução inovadora que, pela integração inédita de diferentes materiais na cápsula e com uma configuração geométrica original, é capaz de responder integralmente às especificações definidas pela ESA para o programa de exploração ao Planeta Marte.

Prevê-se que as amostras transportadas pela cápsula de reentrada atmosférica atinjam a superfície terrestre em 2016.

  • Benefícios

    Na base deste sucesso, assente nas competências multidisciplinares dos diferentes parceiros envolvidos, foi determinante a nova tipologia dos materiais desenvolvida especificamente para este projeto, que viabilizou a obtenção de um sistema multifuncional capaz de suportar as elevadíssimas cargas térmicas e dinâmicas associadas a uma reentrada atmosférica e, simultaneamente, cumprir com todos os requisitos definidos, nomeadamente, em termos do limite de desaceleração do reservatório na fase de impacto.

     

    Os benefícios da nova solução estendem-se à redução da massa da cápsula em cerca de 25% do valor inicialmente definido como valor máximo, à eliminação de sistemas auxiliares de atenuação de cargas de impacto e à redução de custos de produção.

    amorim-image-capsule.png
“O balanço final é extremamente positivo uma vez que, além de fornecer à ESA uma solução de cápsula de reentrada atmosférica, satisfaz todos os requisitos inicialmente definidos para o projeto. Historicamente, esta é uma área em que Portugal tem uma intervenção reduzida e é nossa convicção que este trabalho impactará na perceção das competências da engenharia nacional para a indústria aeroespacial.”

Paulo Antunes, Critical Materials

Futuro

Terminada esta fase, para um futuro próximo, o consórcio visa continuar a desenvolver soluções para o novo projeto da Agência Espacial Europeia. A ambição é aumentar o índice de prontidão tecnológica (TRL) da cápsula de reentrada atmosférica dos atuais TRL 4/5 para TRL 6/7.

 

Partilhar

Precisa de ajuda?

Deixe-nos os seus dados para ser contactado por um dos nossos especialistas.