Fechar

Escolha o seu idioma ou região

Close

This website content is also available in COUNTRY TO CHANGE.

Entrevista Laurie Wiid van Heerden

Entrevista

O luxo encontra-se com a sustentabilidade no trabalho diz Laurie Wiid van Heerden, que com as suas criações na última década se tornou um verdadeiro embaixador da cortiça na África do Sul. A meio caminho entre o design e a arte, a tradição artesanal e a vanguarda, os objetos da Wiid Design, fundada em 2013 na Cidade do Cabo, levam a versatilidade da cortiça a um novo patamar.

  • Com tantos materiais à escolha, porquê a cortiça?

    Como estúdio de design de produtos, estamos constantemente à procura de materiais únicos e sustentáveis para trabalhar.

     

    A cortiça é certamente um dos materiais mais sustentáveis do mundo, com uma grande variedade de aplicações e qualidades disponíveis.

     

    A cortiça não é frequentemente vista enquanto - ou utilizada dentro da - concepção de produtos de topo de gama, pelo que foi importante para mim explorar as várias qualidades e aprender como a poderíamos incorporar dentro dos nossos conceitos e projetos.

     

    A cortiça é biodegradável, renovável, reciclável, reutilizável, leve, impermeável, elástica, compressiva e resistente ao desgaste, pelo que este material único é muito versátil.

    African cork pendants collection - Shapes 5 & 6.jpg

"Nunca antes me deparei com um material natural tão versátil, por isso a cortiça acrescenta um grande valor ao meu trabalho, incluindo uma mensagem muito forte sobre luxo e sustentabilidade."

Quando decidiu que a cortiça seria a "estrela" principal do seu trabalho?

O meu estúdio começou a fazer experiências com cortiça em 2010, levámos muito tempo e experimentação para aprender como o material funciona e para compreender as várias qualidades e propriedades do mesmo.

O Joaquim Sá, Diretor Geral da Amorim Cork, África do Sul, tem sido sempre um grande apoiante do meu trabalho.

Desde o início o Joaquim ajudou o meu estúdio com amostras e informações, incluindo viagens altamente informativas à sede da Amorim em Portugal, onde tive o privilégio de conhecer a equipa Amorim e ver as fábricas, bem como os montados de sobro.

Também tive o privilégio de receber o Sr. António Rios de Amorim, que abriu oficialmente ao público o meu novo edifício e estúdio em Setembro de 2015.

Quando comecei a experimentar a cortiça, apercebi-me das suas maravilhosas propriedades e potencialidades de manufatura. Rapidamente se tornou evidente para mim que queria colocar o meu foco na cortiça e torná-la um dos nossos principais materiais. 

Um importante fator motivacional foi o de procurar as fronteiras e acrescentar valor a este material a um nível internacional. Ao fazê-lo, tínhamos de criar consciencialização e forçar os limites para alcançar uma série de "estreias" mundiais - incluindo o maior candeeiro pendente de cortiça do mundo e também o maior armário de cortiça.

Assim, começámos a colocar a ênfase no desenvolvimento de técnicas especiais para fabricar os produtos que o meu estúdio vende hoje.

Como definiria o papel da Amorim no seu trabalho?

Nesta fase, o papel principal da Amorim no meu negócio é o de fornecedor de cortiça. No entanto, a Amorim tem sido muito solidária ao longo dos anos, tendo a nossa relação evoluído para uma parceria, o que se deve à nossa paixão comum pela cortiça.

A Amorim África do Sul e a Wiid Design trabalham em conjunto em projetos selecionados em que colaboramos, estes projetos têm sido, no entanto, pequenos até à data e espero trabalhar em projetos maiores e mais influentes com a Amorim no futuro. Especialmente a nível internacional, onde podemos conceber peças únicas com a ajuda da Amorim África do Sul e da Amorim Internacional.

 

Através do seu trabalho nos últimos anos, tornou-se um verdadeiro embaixador da cortiça no mundo do design e, mais especificamente, no mundo do design sul-africano. Pensa que desde 2013 até agora a perceção da cortiça entre os seus pares mudou de alguma forma?

A 100%, sempre foi um objetivo meu educar o mercado local sobre a cortiça. Tem sido um desafio até agora, uma vez que a maioria dos clientes que não compreende um material é geralmente mais relutante em comprar produtos fabricados a partir desse mesmo material.

Nos últimos anos, posso, no entanto, permanecer confiante de que o mercado aceitou o material dentro do design do produto, especificamente dentro das categorias de mobiliário, iluminação e objetos. É importante para a indústria apoiar práticas sustentáveis e promover materiais também eles sustentáveis.

Por conseguinte, a cortiça encontrou o seu nicho no nosso mercado local e espero que a indústria continue a apoiar o material em projetos maiores no futuro.

 

 

Sente que existem diferenças entre a forma como a cortiça é vista pelos designers e pelos consumidores dependendo da sua localização?

Existirão sempre perceções diferentes, especialmente nos países onde se expõe. Certas feiras de design são especializadas na exposição apenas de design colecionável de topo de gama, ao passo que outras se concentram em produtos comerciais. A maioria dos expositores ou retalhistas europeus terão uma melhor compreensão dos produtos apresentados devido ao seu conhecimento geral de materiais e design.

Por conseguinte, descobri que os nossos produtos são mais adequados para os mercados dos EUA, Europa, EAU e Austrália do que para o mercado sul-africano. Há muitas razões para tal, mas uma delas pode ser devida ao estilo da nossa coleção. O nosso trabalho tem um aspeto contemporâneo muito singular que se relaciona com os consumidores que têm um dedicado interesse no design.

Designers e consumidores de certos países estão também mais conscientes dos vários materiais disponíveis e das possibilidades que estes materiais podem criar dentro do design. É quase uma mentalidade aberta e educada que cria estas diferentes perceções.

E quanto ao consumidor sul-africano? Qual é a sua perceção e conhecimento sobre o material?

A compreensão da cortiça como material multifacetado na África do Sul está certamente a aumentar, mas ainda está relativamente limitada à indústria vinícola e não à indústria de concepção de produtos. A experiência que adquiri ao trabalhar com arquitetos, designers de interiores e alguns dos nossos clientes privados mostra que existe de facto uma necessidade de cortiça dentro dos projetos.

É importante notar que a África do Sul não tem um grande mercado de consumo de topo de gama e os produtos que fabricamos são da melhor qualidade e, por conseguinte, concentram-se num nicho de mercado.

Há alguma coisa que nos possa revelar sobre projetos futuros? Mais aplicações de cortiça em construção?

Estamos constantemente a trabalhar em projetos onde desenvolvemos e concebemos produtos personalizados para os clientes. Atualmente estamos a concentrar-nos na incorporação da cortiça em produtos mais pequenos que são mais adequados para o mercado de consumo geral. Estes produtos incluirão candeeiros de secretária, novos vasos para plantas, artigos de cozinha e artigos de mobiliário mais pequenos.

Estamos também ocupados a desenvolver novos produtos para as lojas internacionais da Nando, incluindo mais coleções de produtos topo de gama que podem ser expostos em feiras internacionais de design.

 

 

Would you like to know more about this subject?

Let us know your details and we'll get back to you.